8 de fev de 2011

Pilates e a Esclerose Múltipla

A esclerose múltipla é uma doença neurológica crônica, de causa ainda desconhecida, em que se observa maior incidência em pessoas do sexo feminino. Distúrbios na marcha, na força, dormências, fraqueza muscular, rigidez articular e falta de coordenação motora estão entre os principais sintomas. Em estágios mais graves, a EM pode acarretar episódios de infecção ou insuficiência respiratória, que devem ser tratados com atenção e rapidez para minimizar o desconforto do paciente e coibir uma piora do seu estado geral.

A variedade dos sintomas e os diferentes graus de incapacidade dificultam a elaboração de guias e padronizações para a orientação de exercícios para essa população. No entanto, é certo que a execução de exercícios suaves é recomendada para as pessoas que carregam esta doença.

Estudiosos no assunto recomendam a aplicação de exercícios para desenvolvimento da força muscular. Por isso, o Pilates é tão indicado. A técnica colabora na melhora da coordenação das atividades conscientes e inconscientes. Um dos grandes benefícios é a diminuição da fadiga, mal que também afeta os pacientes com EM.
Os exercícios devem seguir uma lógica crescente de funcionalidade onde, para aqueles com maior déficit motor, sugere-se a aplicação de movimentos passivos, como, alongamentos lentos para os principais grupos musculares. A reeducação diafragmática e da musculatura acessória também entra na lista de benefícios.
Para indivíduos com maior nível de força são indicados alongamentos ativos e exercícios de resistência, com ou sem a ação da gravidade e com número de repetições próximo ao nível da fadiga.
O mais importante é que o paciente deve ter a aprovação médica para realizar os exercícios. Além disso, professor e médico devem estar em constante troca de informações sobre o paciente, pois é o médico que poderá permitir intervenções coerentes ao longo do tempo.

Fonte: Jader Beck, profissional de Pilates.





Na minha opinião o instrutor de pilates deve estabelecer os objetivos da aula para um paciente com esclerose múltipla partindo do princípio de que devemos ajudar o paciente a utilizar ao máximo as capacidades que lhe restam. As necessidades variam de um paciente para outro, sendo que essa variação se deve aos sintomas específicos apresentados pelo paciente e ao estágio evolutivo no qual se encontra a doença, indicando, portanto, que o Pilates deve ser individualizado.
Podemos atuar tanto na fase aguda (pós-surto) quanto na fase remissiva, tomando alguns cuidados. Na fase aguda, os exercícios devem ser mais passivos, as pausas de recuperação mais longas, os exercícios, objetivam basicamente, manter as amplitudes de movimento e evitar complicações secundárias, conforme a evolução, podemos adicionar exercícios ativos sem que ocorra muito gasto energético. Já na fase remissiva os exercícios ativos serão mais intensos, mas sempre intercalados por pausas de recuperação, de modo que não ocorra a fadiga, nem o aumento da temperatura corpórea.
Estudando e entendendo bem da patologia ,podemos aplicar o método Pilates e este trazer ótimos benefícios para pacientes com Esclerose Múltipla!
Lu Lafetá

obs: Essa foto eu encontrei para ilustrar o artigo , mas entrei e li também o artigo Americano que mostra a história dessa mulher da foto que apresenta a Esclerose Múltipla e realiza sessões de Pilates e está obtendo um bom resultado !
Para quem interessar , aqui está o Site :
http://www.dallasnews.com/news/community-news/frisco/headlines/20100208-Woman-with-MS-finds-strength-4981.ece

Nenhum comentário:

Postar um comentário